A atuação de Joaquim Manuel de Macedo no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro

Isadora Tavares Maleval

Resumo


Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882), conhecido autor do romance A moreninha (1844), atuou em outros campos da vida política e intelectual do Segundo Reinado, além da literatura. Fez parte, por exemplo, do corpo docente do notável Colégio Pedro II, sendo responsável pela cadeira de História do Brasil, e foi um sócio com grande projeção do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Neste artigo pretende-se investigar sua participação naquela última instituição, sobretudo no que diz respeito às querelas sobre a validade ou não de o IHGB investir na produção de uma história do tempo presente ou contemporânea.


Texto completo:

PDF

Referências


Fontes:

Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro (AGCRJ). Setor de documentação escrita. Códice 11.1.6: Adopção e approvação de livros – Contractos – Aluguéis de casas para escolas e certidões diversas – Papéis separados por mezes. 1859.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO. Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, 1839-1864.

MACEDO, Joaquim Manuel de. Ephemerida Histórica do Brasil. Rio de Janeiro: Typ. Globo, 1877.

_____. Labirinto. Organização, introdução e notas de Jefferson Cano. Campinas: Mercado de Letras, Cecult; São Paulo: Fapesp, 2004.

TAUNAY, Alfredo D’Escragnolle. Memórias. Rio de Janeiro: Edições Melhoramentos, [1948].

Referências Bibliográficas:

HARTOG, François. Evidência da história: o que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

IHGB. Dicionário de historiadores, geógrafos e antropólogos brasileiros (vols. 4 e 5). Rio de Janeiro: O Instituto, 1993 e 1996.

MALEVAL, Isadora Tavares. Entre a “arca do sigilo” e o “tribunal da posteridade”: o (não) lugar do presente nas produções do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). Tese (Doutorado em História) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

MATTOS, Selma Rinaldi de. O Brasil em lições: a história como disciplina escolar em Joaquim Manuel de Macedo. Rio de Janeiro: Access, 2000.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. “Brasileiros ilustres no tribunal da posteridade: biografia, memória e experiência da história no Brasil oitocentista”. VARIA HISTORIA. Belo Horizonte, vol. 26, n. 43, P. 283-298, jan/jun 2010.

_____. Escrever vidas, narrar a história. A biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Tese de doutorado em História apresentada à UFRJ, 2009.

SILVA, Antonio Moraes. Diccionario da lingua portugueza, Tomo Primeiro (A-K). Disponível em . Acesso em: 21 de agosto de 2013.

STRZODA, Michelle. O Rio de Joaquim Manuel de Macedo: jornalismo e literatura no século XIX. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2010.

TURIN, Rodrigo. “Uma nobre, difícil e útil empresa: o ethos do historiador oitocentista”. História da historiografia, n. 2, p. 12-28, março 2009.

VAINFAS, Ronaldo (dir.). Dicionário do Brasil imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


http://www.latindex.unam.mx/buscador/ficRev.html?opcion=1&folio=8807

http://www.sumarios.org/revistas/revista-do-instituto-hist%C3%B3rico-e-geogr%C3%A1fico-de-sergipe