A POLÍTICA EM SERGIPE PROVINCIAL (1820-1889)

José Ibarê Costa Dantas

Resumo


O objetivo desse artigo é apresentar uma pequena síntese da formação do Estado no século XIX, durante o período imperial, aqui dividido em fases para efeito didático. Para tanto, após situar Sergipe no quadro nacional, discorremos sobre o processo de sua independência, considerando as relações dos grupos dominantes entre si, bem como em face dos governos provinciais e do Poder Central. Nesse sentido, tencionamos observar a formação de grupos dominantes, o surgimento de agremiações envolvidas em competições, divisões, discórdias e conflitos de duração variada. Os enfrentamentos, seguidos por tréguas, acordos e submissão às forças predominantes. Em meio a essas dificuldades, investigamos como a convivência pacífica paulatinamente conformou-se, as regras eleitorais se generalizaram e os resultados foram acatados. Em consequência, as disputas passaram a obedecer padrões normativos e as demandas dos grupos influentes foram negociadas. Enfim, foi-se moldando o sistema representativo, a legitimidade fortaleceu-se e as instituições adquiriram funcionalidade, estimulando o progresso social.  


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Aurélio Vasconcelos de. Esboço Biográfico de Inácio Barbosa. Aracaju, Funcaju, 1 vol., 2000.

ALMEIDA, Maria da Glória Santana de. Nordeste Açucareiro (1840-1875), desafios num processo do vir a ser capitalista. Aracaju: UFS-SEPLAN-BANESE, 1993.

BUARQUE, Sérgio (dir). O Brasil Monárquico (vol. 5 a 7). São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1972.

DANTAS, Ibarê. Leandro Ribeiro de Siqueira Maciel (1825-1908). O patriarca do Serra negra e a política oitocentista em Sergipe. Aracaju. Criação, 2009.

FAORO, Raimundo. Os Donos do Poder. Formação do Patronato Político Brasileiro. vol. I. Porto Alegre, São Paulo; Globo-EUSP.

FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe. Petrópolis: Vozes; Aracaju: Governo de Sergipe, 1977.

LIMA JÚNIOR, F. A. Carvalho. Revolução de Santo Amaro. Revista Trimestral do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. Aracaju, fascículos III e IV, v. II, 1916.

LIMA JÚNIOR, A. Carvalho. Memória sobre Legislativo, em Sergipe (1824 a 1889). Revista Trimestral do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. Aracaju, n. 8, 1929.

NUNES, Maria Thetis. História de Sergipe a partir de 1820. Rio de Janeiro: Cátedra-INL, 1978.

NUNES, Maria Thetis. Sergipe Provincial I, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 2000.

OLIVEIRA, Vanessa dos Santos. O Governo de Manoel Fernandes da Silveira e as Dificuldades para Consolidação da Autonomia Sergipana (1824). 2004. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em História) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2004.

Antonio José da Silva Travassos. Memorial Histórico da Província de Sergipe. Aracaju: SEC, 2004.

PASSOS SUBRINHO, Josué Modesto dos. Reordenamento do Trabalho: Trabalho Escravo e Trabalho Livre no Nordeste Açucareiro. Sergipe, 1850-1930. Aracaju: Funcaju, 2000.

PÌNHO, Wanderley de Araújo. Cotegipe e seu tempo. Primeira fase: 1815-1867. São Paulo: Nacional, 1936.

SANTOS, Maria Nely. A Sociedade Libertadora: “Cabana do Pai Thomaz”, Francisco José Alves, uma história de vida e outras histórias. Aracaju: J. Andrade, 1997.

URICOECHEA, Fernando. O Minotauro Imperial. São Paulo: Difel, 1978.

Joaquim Nabuco. Um Estadista do Império. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


http://www.latindex.unam.mx/buscador/ficRev.html?opcion=1&folio=8807

http://www.sumarios.org/revistas/revista-do-instituto-hist%C3%B3rico-e-geogr%C3%A1fico-de-sergipe